terça-feira, 5 de junho de 2012

UMA REFLEXÃO SOBRE O MODO DE VIDA ATUAL


Não pense que questões ambientais sejam coisas novas, recentes, na história de nosso planeta. Povos primitivos, mesmo sem terem o conhecimento do homem moderno, já explorava as riquezas do planeta de modo racional. Desde o início de nossa civilização, os espíritos superiores, têm se dedicado a nos chamar a atenção de todas as formas para a beleza da vida e da glória que o Criador nos proporcionou nos dando esse planeta exuberante para habitarmos.
Eles também há muito nos alertam que quando estivermos prontos, a vida, detentora de tesouros e felicidades, oferecerá o nosso. Para conquistá-lo, é necessário sabermos mais sobre o significado da vida e como ela funciona. Mas, essa conquista também implica amadurecimento e merecimento. Ninguém colocará nas mãos de pessoas despreparadas, fora da realidade, uma função que requeira conhecimento e dedicação.
Em uma sociedade onde valores espirituais e éticos estão invertidos, a cultura é dominada por falsas crenças que valorizam as aparências e as pessoas impõem papéis sociais a si mesmas para serem aceitas, é bastante comum a disseminação do sentimento de insegurança. Num contexto assim, as pessoas vivem pressionadas pelo medo – fruto da ignorância e do domínio de religiões que pregam a existência de um deus que julga, condena, castiga seus filhos e vê o homem como um ser incapaz, eterno pedinte dos favores divinos, dependente e sem capacidade para comandar a própria vida. Afinal, para que Deus nos deu discernimento?
Para elas, ser humilde é colocar-se sempre em último lugar, sem qualquer ambição. Valorizam a pobreza e veem, sob suspeita, os que tem bens e não aceitam essas imposições. Conceitos assim dificultam o progresso, distorcem a visão da realidade, oprimem, prejudicam o desempenho e conduzem à depressão e à infelicidade.
Os espíritos superiores,há muito tempo, esperam que nos libertemos dessas crenças erradas. Que enxerguemos a vida como ela é: perfeita, exuberante e rica, a oferecer-nos todas as chances de progresso. Deus quer o melhor para seus filhos; quer vê-los ricos e prósperos, mas justos e não avarentos, colocando sua riqueza, suas aptidões, seus potenciais, a serviço de seus irmãos menos favorecidos. Afinal, nada levamos daqui a não ser as experiências vividas, o aprendizado.
Durante essa espera, eles insistem em nos chamar a atenção sobre a continuidade da vida após a morte, na necessidade de aprendermos as leis que regem a vida, a fim de escolhermos melhor nosso caminho.
A crença na vida após a morte e a certeza de que não estamos sós a enfrentar problemas neste mundo, além de nos confortar, abrem as portas da eternidade, trazendo a esperança de que um dia tudo ficará em paz.
Fonte: Gasparetto. Zibia. Extratos de “Eles continuam entre nós”, vol. 2, com adaptações.