quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

SUICIDAR-SE, NUNCA!!!!!

O suicídio é, talvez, o maior dos equívocos do ser humano. A pessoa sente-se pressionada por uma quantidade invariavel de desafios, que julga serem problemas sem solução, e precipita-se na ilusão da morte.

Ilusão porque ninguém consegue auto-exterminar-se. E fazendo isso, não resolverá problema algum. E o suicídio agrava as dificuldades porque aí a pessoa, já na qualidade de espírito, sente o corpo inanimado, e experimenta os horrores da decomposição daquele que foi seu corpo, porque seu perispírito não está preparado para esse tipo de passagem. Sente-se pressionada também, pelo arrependimento, pelo remorso, sem possibilidade de retorno imediato para refazer novamente sua vida. Em meio a dores morais intensas, com as sensações físicas próprias, sentindo ainda a angústia dos seres queridos que com ele conviviam, o suicida torna-se um indigente do além. Não imagine que isso é um castigo, apenas consequências do ato extremo.

Isto tudo acontece por uma razão muito simples: não somos o corpo, estamos no corpo. Somos espíritos reencarnados, imortais. E a vida nunca cessa,ela continua objetivando o aprimoramento moral e intelectual de todos os filhos de Deus. Suicidar-se é ilusão. Os desafios existenciais surgem exatamente para promover o progresso, convidando à conquista de virtudes e o desenvolvimento da inteligência. A oportunidade de viver e aprender é muito rica para ser desprezada. E quando alguém a descarta, sugem consequências naturais: o sofrimento físico, pela auto-agressão e o sofrimento moral do arrependimento e da perda de oportunidades. Sim, porque sendo patrimônio concedido por Deus, o suicídio é transgressão à Sua Lei de Amor (...).

Mas, como podemos saber se é assim que acontece? De onde vêm essas informações? (...) Foram os próprios espíritos que descreveram o estado pós morte. Entre eles, também os suicidas descreveram os sofrimentos físicos e morais que experimentaram.

Embora suicídios sejam atos extremos, existem atenuantes e agravantes, mas sempre com consequências dolorosas e que vão requerer longo tempo de recuperação. Sendo Deus, um Pai bondoso e misericordioso, e que jamais abandona seus filhos, irá concede-lhes sempre novas oportunidades. Vem daí a reencarnação como caminho reparador, em existências difíceis que apresentam os sintomas e aparências do ato extremo do suicídio.

Diante de possíveis angústias e estados depressivos, não há outro remédio senão manter a serenidade, a calma, a paciência e a confiança na vida, que sempre nos reserva o melhor, ou o que temos necessidade de enfrentar para aprender. Ações precipitadas, suicídios e atos insanos são praticados devido ao desespero que atinge muitas pessoas que não conseguem enxergar os benefícios que as cercam de todos os lados.

Há que se pensar nos familiares, cônjuges, pais e filhos, na dor que experimentam diante do suicídio do ser querido. Há que se pensar no arrependimento inevitável que virá. Há que se ponderar no desprezo endereçado à vida. Há, mais ainda, que buscar em Deus, na coragem, na prece sincera, nos amigos (especialmente o maior deles, Jesus), a força que se precisa para vencer quaisquer idéias que sugiram o auto-extermínio.

Pense sempre no tesouro que é tua vida, de tua família! Jamais te deixes enganar pela ilusão do suicídio. Viva! Viva intensamente! Com alegria! Que não te perturbes nem a dificuldade, nem a enfermidade,nem a carência material! Confie, (...) e prossiga!
--------------------------------------------------------------
Fonte: Texto de Carrara, Orson Peter, disponível no site http://www.espirito.org.br/index.asp, com adaptações deste blogger.