sexta-feira, 17 de maio de 2013

Curiosidades Religisas: Você já ouviu falar nas Igrejas Ortodoxas?

O Cristianismo é composto de diversos grupos religiosos que professam os ensinamentos do Cristo. Além da Igreja Católica Apostólica Romana e das correntes chamadas de protestantes, pentecostais e neo-pentecostais e reformistas, existem também as Igrejas Ortodoxas, que por sua vez,também, possuem divisões, como veremos a seguir.

Existem os seguintes grupos de Igrejas Ortodoxas:
·         as Igrejas não-Calcedonianas (Ortodoxia Oriental), compostas por  Igrejas orientais que só aceitam os 3 primeiros concílios ecumênicos;
·         a Igreja Ortodoxa (por vezes também chamada de Igreja Ortodoxa Oriental), que apareceu séculos mais tarde (no Cisma do Oriente). Essa ramificação se diferencia das Igrejas não-calcedonianas ,por aceitarem os sete primeiros concílios ecuménicos, sendo essa a principal diferença;
·         por fim, as Igrejas autodenominadas ortodoxas, mas que não estão em comunhão com a Igreja Ortodoxa e, mais concretamente, com o Patriarca Ecumênico deConstantinopla (ex: Igreja Ortodoxa Montenegrina).

A principal característica da Igreja Ortodoxa (do grego όρθος, transl. órtos: reto, correto, e δόξα, transl. dóxa: doutrina, opinião; literalmente, "igreja da opinião correta"), ou Igreja Cristã Ortodoxa é que se constituem numa comunhão de igrejas cristãs autocéfalas, herdeiras da  cristandade do Império Bizantino, que reconhece o primado do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla desde que a sede de Roma deixou de comungar com a ortodoxia. Reivindica ser a continuidade da Igreja fundada por Jesus, considerando seus líderes como sucessores dos apóstolos.

A Igreja Ortodoxa tem aproximadamente dois mil anos, contando-se a partir da Igreja Primitiva, e aproximadamente mil anos, contando-se a partir do Cisma do Oriente ou Grande Cisma, em 1054. Desde então, os ortodoxos não reconhecem a autoridade do Papa, não aceitam os dogmas proclamados pela Igreja Católica Romana em séculos recentes, tais como a virgindade de Maria após a concepção e a infalibilidade papal. Também não consideram válidos os sacramentos ministrados por outras confissões cristãs.

Apesar de católicos romanos e ortodoxos terem uma história comum, que iniciou com a fundação da Igreja e com a difusão do cristianismo pelos apóstolos, uma série de dificuldades ocasionou o progressivo distanciamento entre Roma e os Patriarcas. Primeiro veio a quebra da unidade politica.

Com a divisão do Império Romano em 395, a queda do Império Romano do Ocidente em 476 e o fracasso da tentativa de Justiniano I de reunificar o império a partir de 535, o Oriente e o Ocidente deixaram de ter o mesmo governo. Tempos mais tarde, com a ascensão do Islã, as trocas econômicas e os contatos por via marítima entre o Império Bizantino, de língua grega, e o Ocidente, de língua latina, tornaram-se mais difíceis, e a unidade cultural deixou de existir.

Em que pesem diferenças teológicas, organizativas e de espiritualidade não desprezáveis, a Igreja Ortodoxa é, em muitos aspectos, semelhante à da Igreja Católica: preserva os sete sacramentos, o respeito a ícones e o uso de vestes litúrgicas nos seus cultos (denominados de divina liturgia). Seus fiéis são chamados de cristãos ortodoxos.

Atualmente a Igreja Ortodoxa Oriental é a terceira maior confissão cristã, contando, em todo o mundo, com aproximadamente 250 milhões de fiéis, concentrados sobretudo nos países da Europa Oriental. As igrejas ortodoxas mais importantes são a Igreja Ortodoxa Grega e a Igreja Ortodoxa Russa.
---------------------------------------------------------------------