domingo, 22 de setembro de 2013

Curiosidades: Censo 2010, aponta maior crescimento dos evangélicos entre crianças e adolescentes

O Censo 2010, o último realizado pelo IBGE, notamos algumas informações bastante interessantes e curiosas.

O Censo aponta que 65,5% dos declarantes católicos são do sexo masculino, contra 63,8% de mulheres. Os sem religião também apresentam maioria entre os homens com cerca de 9,7% contra 6,4% para mulheres. Nos demais grupos, as mulheres eram maioria.

O Censo aponta também que a proporção de católicos também foi maior entre as pessoas com mais de 40 anos, chegando a 75,2% no grupo com 80 anos ou mais. O mesmo se deu com os espíritas, cuja maior proporção estava no grupo entre 50 e 59 anos (3,1%).

Um dado importante aponta que entre os evangélicos, os maiores percentuais foram verificados entre as crianças (25,8% na faixa de 5 a 9 anos) e adolescentes (25,4% no grupo de 10 a 14 anos). Isso aponta a estratégia dos evangélicos para crescimento e manutenção do seu público,  inclusive a longo prazo. Por outro lado, os católicos apresentam uma população mais envelhecida o que a curto e longo prazo nos faz antever que logo serão ultrapassados pelos evangélicos.

No que se relaciona ao recorte por cor ou raça, as proporções de católicos seguem uma distribuição aproximada à do conjunto da população: 48,8% deles se declaram brancos, 43,0%, pardos, 6,8%, pretos, 1,0%, amarelos e 0,3%, indígenas.

Entre os espíritas, 68,7% eram brancos, percentual bem mais elevado que a participação deste grupo de cor ou raça no total da população (47,5%).

Entre os evangélicos, a maior proporção era de pardos (45,7%). A maior representatividade de pretos foi verificada na umbanda e candomblé (21,1%). No grupo dos sem religião, a declaração de cor mais presente também foi parda (47,1%).
------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Fonte:http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/caracteristicas_religiao_deficiencia/default_caracteristicas_religiao_deficiencia.shtm.