segunda-feira, 22 de abril de 2013

CURIOSIDADES BÍBLICAS: O QUE SIGNIFICA O TERMO “APÓCRIFO”?

Estudando sobre os Livros Bíblicos, encontramos muitas obras relacionadas a história do Cristianismo. Obras que datam dos primeiros séculos do Cristianismo, mas que não receberam a chancela da Igreja para fazerem parte dos cânones. Essas obras foram consideradas apócrifas. Mas, o que significa “apócrifo”?

O termo  "apócrifos" vem do grego πόκρυφα e significa "coisas escondidas". O termo é geralmente aplicado para designar livros que já foram considerados pela igreja como úteis, mas não divinamente inspirados (como saber????). Outras obras foram consideradas apócrifas, por serem de autoria duvidosa (como saber, também???). A partir do Concílio de Trento, a palavra  "apócrifo" adquiriu conotação eminentemente negativa e se tornou sinônima de "espúrio" ou "falso".

No início do Cristianismo, muitas obras faziam parte do que se convencionou chamar de “Novo Testamento”, todas fruto da variada gama de interpretações provocadas pela mensagem deixada pelo Cristo.

Durante os primeiros séculos da transmissão desta mensagem, um considerável debate se criou para preservar sua autenticidade. Com esse objetivo, três métodos, considerados principais, se sobressaíram e sobreviveram até os nossos dias: 
a) ordenação (onde grupos autorizam indivíduos como professores confiáveis da mensagem); 
b) credos (onde os grupos definem as fronteiras de interpretação da mensagem); 
c) e os cânones bíblicos (que listam os documentos primários que cada grupo acredita conterem a
    mensagem originalmente ensinada por Jesus).

Muitos livros antigos sobre Jesus não foram incluídos nos cânones e hoje em dia são chamados de "apócrifos". Alguns deles foram vigorosamente condenados e suprimidos, sobrevivendo hoje apenas em fragmentos. As mais antigas listas de obras autênticas do Novo Testamento não são idênticas às listas modernas. Como exemplo, o Apocalipse foi durante muito tempo considerado como não-autêntico (veja Antilegomena), enquanto que o Pastor de Hermas era considerado genuíno por alguns cristãos (e ainda é em alguns ramos da fé cristã), e aparece no Codex Sinaiticus.

Da mesma forma que o Antigo Testamento, a maioria dos livros do Novo Testamento foram aceitos pela igreja logo de início, sem objeções: os chamados homologoumena. Isso porque os pais da igreja foram unânimes a favor de sua canonicidade. Os homologoumena aparecem em praticamente todas as principais tradições e cânones da igreja primitiva: eles formam 20 dos 27 livros que entraram no Canon do Novo Testamento.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------