quarta-feira, 18 de abril de 2012

O BEM E O MAL, SEGUNDO A DOUTRINA ESPÍRITA

Deus criou os Espíritos simples e ignorantes, isto é, sem conhecimentos nem consciência do bem e do mal, porém aptos para adquirir o que lhes falta. O trabalho é o meio de aquisição, e a perfeição é a finalidade para todos. Alcançam esse fim, mais ou menos rapidamente em virtude do livre-arbítrio e na razão direta dos seus esforços; todos  tem os mesmos degraus a transpor, o mesmo trabalho a concluir.

Deus não contempla melhor uns que a outros, já que todos são seus filhos e porque, sendo justo,não tem preferência por criatura alguma. Deus nos diz:”Eis a lei que deve constituir a vossa regra de conduta;só ela pode vos levar ao fim; tudo que lhe for conforme é o bem; tudo que lhe for contrário é o mal. Tendes inteira liberdade de observar ou infringir esta lei (livre arbítrio), e assim sereis os árbitros da vossa própria sorte”.

Consequentemente, Deus não criou o mal; todas as suas leis são para o bem; é o próprio homem quem criou o mal ao transgredir as leis divinas, porquanto, se as observasse escrupulosamente, jamais se desviaria do bom caminho.

Vale ressaltar que as diversas religiões trazem esses ensinamentos morais,essa regra de conduta, inspiradas por Deus,como guia para os diversos povos. Assim, os cristãos tem sua regra de conduta na Bíblia; os islamitas, as tem no Alcorão, e assim se sucedem entre os povos.

Todos temos a responsabilidade moral pelos atos da vida. Mas a razão nos diz que as conseqüências dessa responsabilidade devem ser proporcionais ao desenvolvimento intelectual do Espírito: quanto mais esclarecido ele for, menos desculpável será, considerando-se que com a inteligência e o senso moral nascem as noções  do bem e do mal, do justo e do injusto. Pense nisto.
--------------------------------------------------------------
Fonte: Kardec,Allan. O céu e o inferno, Primeira Parte, Cap. VII e VIII