quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Os espíritos podem tornar-se visíveis?

A resposta é sim. A maioria dos espíritos se manifestam durante o nosso sono, sendo essa a forma mais comum de vê-los. Algumas pessoas podem vê-los quando acordadas, sendo isso muito raro.

Quanto mais o homem evolui espiritualmente, mais facilmente pode comunicar-se com os Espíritos, sendo isso para poucos. Depende do grau mediúnico. São os chamados médiuns videntes que posuem essa faculdade.

Vejamos como acontecem essas aparições, enquanto somos matéria e depois do ponto de vista dos Espíritos.

Muitas vezes, enquanto dormimos e o corpo está em repouso, nosso Espírito se despreende da matéria, ficando livre para se comunicar com outros Espíritos. Os sonhos são apenas recordações desse estado espiritual. Quando não nos lembramos de nada, dizemos que não sonhamos, mas, nem por isso o Espírito deixou de ver e gozar sua liberdade.

Comumente, lembramos de termos sonhado com certas pessoas, ou de ter estado em certos lugares. Outras vezes, o Espírito se adianta no tempo e por isso, muitas vezes, achamos já ter visto ou vivido uma determinada situação. O tempo, para os Espíritos, é algo muito relativo. Em outras, ele simplesmente volta no tempo, o que lhe dá a impressão de já ter estado em determinado lugar. Algumas vezes, também, pode tratar-se de lembranças de vidas passadas.

Outras vezes, sonhamos com pessoas que não se encontram mais no nosso plano espiritual. Geralmente parentes e amigos. Muitas vezes, só os vemos, em outras conversamos com eles, trocamos recordações. Isso é algo bastante comum e testemunhado por muitas pessoas.

Vivemos num mundo que possui muitas dimensões e por isso, cercados  de Espíritos. Eles estão em toda parte, em todos os lugares. Só não os vemos. Graças a sabedoria divina.

Imagine a perturbação que seria se todas as pessoas pudessem ver incessantemente os Espíritos que habitam o planeta concomitantemente conosco. Seria o caos.
-----------------------------------------------------------------
Fonte:  Kardec, Allan. O Livro dos Médiuns, 2ª. Parte, Cap. VI