sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Curiosidades Bíbicas: que são Evangelhos Sinóticos?

Esta é a segunda postagem sobre os Evangelhos. Novamente alertamos que não há intenção de causar polêmica com o conteúdo das postagens e que nosso objetivo é apenas levar ao conhecimento de nossos leitores curiosidades relacionadas aos textos bíblicos, sem contudo querer que sejam aceitos como verdades absolutas, pelo que repudiamos o debate fanático sobre os assuntos.

A Bíblia contem, como se sabe, quatro evangelhos, dos quais três são chamados de sinóticos, que são os evangelhos de Mateus, Marcos, e Lucas, e são chamados assim por conterem uma grande quantidade de narrativas em comum, na mesma sequencia, e algumas vezes, utilizando exatamente a mesma estrutura de palavras.

Muitos estudiosos acreditam que esses evangelhos compartilham o mesmo ponto de vista e são claramente ligados entre si.

Desde que a exegese começou a ser aplicada à Bíblia, ainda no século XVIII, os exegetas os chamaram de evangelhos sinóticos por perceberem que, dos quatro evangelhos, os três primeiros apresentavam grandes semelhanças entre si, de tal forma que se colocados em três grelhas paralelas - donde vem o nome sinóptico, do grego συν, "syn" («junto») e οψις, "opsis" («ver») -, os assuntos neles abordados correspondiam quase inteiramente. Ou seja, são classificados assim, por fazerem parte de uma mesma visão, ou mesmo ponto de vista. (vide quadro comparativo abaixo).

Devido a essas semelhanças, parecem ter origem na mesma fonte. Como os primeiros exegetas eram alemães, designaram essa fonte por Q, abreviatura de Quelle, que significa precisamente «fonte» em alemão. Quando escreveram seus Evangelhos, Mateus e Lucas parecem ter incluido material de duas outras fontes designadas como Fonte M e Fonte L respectivamente.
 
A característica principal dos evangelhos sinóticos é que eles apresentam Jesus como uma personagem humana destacando-se dos comuns pelas suas ações milagrosas sendo a origem primária para informações históricas sobre Jesus Cristo.

                                               Quadro comparativo dos evangelhos sinóticos
elaborado por Ivan René Franzolin


Lucas
Mateus
Marcos
Prefácio e dedicatória


Prelúdio
História da infância
História da infância

Pregação de Batista
Batismo
Tentação de Jesus
Pregação de Batista
Batismo
Tentação de Jesus
Prelúdio
João Batista
Batismo
Tentação de Jesus
Primeira Parte
Ministério de Jesus na Galiléia
Primeira Parte
Ministério de Jesus na Galiléia
Primeira Parte
Ministério de Jesus na Galiléia
Segunda Parte
Viagem da Galiléia para Jerusalém
Segunda Parte
Pregação ambulante
Viagem da Galiléia para Jerusalém
Segunda Parte
Ministério de Jesus
sobretudo fora da Galiléia
Terceira Parte
Últimos dias de Jesus em Jerusalém
Crucificação
Terceira Parte
Últimos dias de Jesus em Jerusalém
Crucificação
Terceira Parte
Última Ceia
Crucificação
Ressurreição
História da ressurreição
História da ressurreição
Apêndice
(Conclusão de Marcos)


O Evangelho Segundo Mateus contém cerca de 178 versículos ou 27% dos 661 versículos de Marcos. O Evangelho Segundo Lucas apresenta cerca de 100 versículos (15%) dos versículos do Evangelho Segundo Marcos. Este último tem apenas 53 versículos (8%) sem paralelo em Mateus ou Lucas. Em Mateus existem 330 versículos (28%) sem paralelo e em Lucas há cerca de 500 (43%).

O exame das perícopes mostra que das 11.078 palavras de Marcos, Mateus possui 8.555 (77%) e Lucas 6.737 (61%). São coincidências demais.

O assunto relacionado de nossa próxima postagem será  o Evangelho de João, o quarto livro, que junto com os demais formam os Evangelhos Canônicos.  

---------------------------------------------

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário