segunda-feira, 23 de maio de 2011

Qual a visão espírita com respeito a centenas de pessoas que morrem em acidentes naturais como terremotos, tsunamis e outros ? Como explicar um acidente de avião onde outras centenas de pessoas morrem? Será que todas tinham que morrer daquela maneira? E o que dizer de um motorista que dorme ao volante de um ônibus levando todos os passageiros à morte? Esse motorista foi um instrumento, quer dizer ele estava fadado a cometer esse ato, causando a morte dessas pessoas que tinham que morrer? Ou será que o descuido do motorista levou todas aquelas pessoas à morte sem necessidade?

Este é um assunto complexo, mas, a priori, pode-se dizer que, as vezes, a destruição é necessária para a regeneração moral dos Espíritos e para que mais depressa se chegue a uma ordem melhor de coisas e para que se realize em alguns anos o que teria exigido muitos anos e as vezes até séculos. Muitos são os exemplos. 


Note-se, por exemplo, que na Segunda Guerra Mundial, muitas pessoas morreram, mas, também, houve um progresso fantástico advindo das pesquisas realizadas naquela ocasião e que hoje estão a serviço da humanidade. Podemos citar a energia atômica, vacinas, automóveis, aviões, formação de novas nações e outros progressos mais. 


Para bem compreender o tema o ideal seria a leitura do Livro Terceiro, capítulo V, compilado no O Livro dos Espíritos, sobre guerras, destruição e flagelos. 


As mortes nem sempre estão programadas, pois muitas vezes são conseqüências do descuido e irresponsabilidade de alguns. Mas, nos grandes acidentes, muitos expiam seus débitos. De todo modo, no mundo atual, devido à situação de dificuldade moral que se vive, muitas pessoas retornam prematuramente por conta dos excessos de toda ordem. 


Por sua vez, os acidentes por negligência não estão programados e seria injusto se o fossem, mas nessas situações alguns se encontram em situação de resgate, outros já terminaram mesmo sua jornada e outros vão antes da hora. Em tudo, há a Lei de Deus, mesmo que nos escape ao entendimento. Afinal, nada é por acaso.
---------------------------------------------------
Fonte: http://www.espirito.org.br/portal/perguntas/prg-009.html